Além da Microsoft - Bill Gates: ciência e pandemia

illustrations

Bill Gates construiu um legado como fundador da Microsoft, mas na última década prevendo mais de uma vez que uma pandemia ameaçaria o mundo, ele tem criado um novo legado: investimento em pesquisa científica na área da saúde.

Publicado em 13/05/2020 por Iza de Azevedo

Em Novembro de 2019, um mês antes da primeira notificação do COVID-19 em Wuhan, a Netflix lançou em seu catálogo A Próxima Pandemia um episódio pertencente a série Explicando, que se propõe a explicar de forma rápida - cerca de vinte minutos - temas diversos sob a perspectiva de especialistas, cientistas, profissionais relacionados ao assunto em questão. O episódio citado chamou a atenção por duas coisas: Bill Gates, fundador e ex-presidente da Microsoft, é um dos convidados especiais e discursou sobre o tema pandemia de forma tão assertiva que parecia preditivo.

Explicando Netflix

Acontece que se pesquisarmos fica perceptível que Bill Gates está envolvido há muitos anos em pesquisas científicas relacionadas à saúde, inclusive de forma ativa, pois A Fundação Bill e Melinda Gates investe em ciência há mais de uma década, Gates se tornou uma espécie de guru da virologia, unindo seu vasto conhecimento em tecnologia e sua perspectiva humanizada, a questões que tangem os impactos que uma má gestão da saúde pública podem causar.

Se algo matar mais de 10 milhões de pessoas nas próximas décadas, é mais provável que seja um vírus altamente contagioso do que uma guerra.

A fala acima faz parte do TED de 2015 onde Bill Gates fala sobre como a ameaça em escala global não são mais bombas nucleares como em sua infância, mas ameaças invisíveis, os vírus. O título do TED é “O próximo surto? Não estamos prontos” e sua fala vai além de uma discurso alarmante, mas uma visão estratégica do que pode ser feito para que estejamos mais preparados, simulações e pesquisa&desenvolvimento na área de vacinação e diagnóstico são dois dos cinco pontos que ele cita como preparativos para uma guerra contra uma pandemia.

A dedicação inegável aos investimentos em pesquisa e suas predições, que não são mais que previsões baseadas em estudos científicos, o colocaram no centro de teorias da conspiração, mesmo doando bilhões e tendo alertado grandes líderes políticos sobre como a prevenção é mais efetiva que contenção de danos.

Polêmicas à parte, é incrível saber que um dos grandes nomes da tecnologia, dono de um grande legado, está engajado construindo mais um. Nos faz pensar em como podemos trabalhar para mudar o que é necessário, mas não apenas em momentos críticos. Nos últimos anos muito se falou pela busca do trabalho com propósito, seria positivo que se levantasse a reflexão para nossas áreas de atuação, no caso da tecnologia: estamos desenvolvendo algo significativo? E qual a diferença que isso faz em nosso entorno?

Podemos não ter o poder de ação que Bill Gates tem, mas podemos nos envolver tanto quanto ele, nesse momento é notável que quanto mais engajamento científico e tecnológico, melhor para todos.